DSC02426As primeiras chuvas do Outono refrigeraram a abrasada atmosfera e a relva verdeja na orla dos caminhos. As árvores recobraram o alento e sente-se esperançosos dias de Primavera: passageira ilusão, pois a borrasca já se anuncia extrema no horizonte. Flores e frutos já desapareceram.

É tempo de reparar os tapumes enquanto as terras estão vagas, conservar os muros e verificar as cancelas para não haver surpresas. Trate-se da estrumeira, pois boa estrumeira lavrador rico. Dali vem a riqueza, para ali volta o cuidado.

Continuar a preparação das terras para as próximas culturas e iniciar as sementeiras de cereais de pragana e de leguminosas (favas e ervilhas). Proceder ao enterramento do estrume. Proceder à colheita das últimas batatas, milhos e feijões.

Semear em lugar definitivo ervilhas, favas, lentilhas, nabos, rabanetes, cenouras, espinafres (que se colhem pelo Natal), coentros e agriões.

Nos alfobres, começar a sementeira de cebolas, alfaces e couves diversas, que se plantam, depois, em Novembro e Dezembro. Proceder à plantação de espargos, couves, beterrabas, morangueiros e alhos. Os alhos devem plantar-se cedo e agradessem uma boa adubação potássica. Pode-se empregar a cinza de fornos, que, como é sabido, é muito rica em sais de potássio. Prosseguir a preparação dos canteiros para as sementeiras e plantações da época. Não se perca tempo em destruir as ervas ruins, que começam a perseguir-nos agora, especialmente as urtigas.

Anda-se de sacho na mão para dar cabo delas antes que criem semente. Não se poupa os caracóis e as lesmas: um bom truque é colocar uma tábua larga sobre a terra, que servindo-lhes de esconderijo acaba sendo uma armadilha.

Começar a poda das roseiras, dos lilases e de outros arbustos ornamentais de rebentação temporã, jacintos, margaridas, etc. Multiplicar por estacas os pelargónios, as roseiras e os lilases. Para transplantar arbustos, podar proporção igual de raízes e ramos, que é a maneira mais segura de voltarem a pegar.
No viveiro fazem-se estacas de todos os arbustos, que se plantam junto a um muro voltado ao Norte ou em outro lugar sombrio. Logo que as plantas de sementeira pararem de crescer, coloque-se em regos, que pegarão logo.