açafroa1Esta planta é também conhecida por açaflor ou açafrão bastardo. É a Carthamus tinctoria, L., da família das Compostas sub-família Tubulifloras, tribo das Cynareas, sub-tribo das Centauríneas.

Planta anual, de caule erecto, semi-lenhoso, com 0,80 a 1 metro de altura, ramificado no cimo; folhas alternas, sub-lanceoladas, sub-co-riáceas, espinescentes, as inferiores pecioladas e as restantes sésseis; flores hermafroditas, reunidas em capítulos envolucrados, ovóides, solitários, homogâmicos; invólucro formado por brácteas livres, imbricadas, espinhosas; cálice com o linho transformado em papilhos de pêlos; corolas tubulosas, amarelo-alaranjado, com o tubo fendido na parte superior em 5 dentes iguais; cinco estames com as anteras aderentes formando um tubo por meio do qual passa o estilete longo, alaranjado, nodoso, intumescido; os frutos são aquênios brancos, tetragonais, majusculos, glabros.

A eclosão das flores realiza-se em Julho e Agosto, saindo primeiramente as periféricas e depois as do centro da inflorescência, por uma estreita abertura do invólucro capitular. Semeia-se em linhas, em Março ou Abril, nas margens das hortas ou dos quintais, perto da casa de habitação do cultivador, para facilitar a colheita.

Para isso, abrem-se sulcos de 10 a 15 centímetros de profundidade, aduba-se com um pouco de estrume consumido e lançam-se as sementes (aquênios) que se cobrem com uns 10 centímetros de terra. Como amanhos culturais, procede-se a um desbaste e uma ou duas sachas.

Por ocasião da floração, cortam-se as flores (que desabrocham dos capítulos) de dois em dois dias, servindo-se da unha do dedo polegar apoiada no indicador. Esta colheita faz-se de-manhãzinha, quando as folhas estão brandas e os espinhos menos acerados.

Retiradas as primeiras flores desabrochadas (corolas e estiletes), outra camada de flores vai eclodir para ser cortada, e assim sucessivamente, por uma ou duas semanas.açafroa2

As flores colhidas expõem-se ao sol a secar em tabuleiros e, quando secas, são moídas por processos rudimentares, geralmente, amassados dentro dum saco de pano, resultando um pó alaranjado, que se guarda em frascos bem rolhados—a farinha de açafroa.

Serve este pó para condimentar e corar molhos e guisados, como substituto do pimentão doce ou colorau. É um condimento fundamental do famoso “molho de vilão”. O o seu emprego típico e tradicional é nas açordas — caldo magro usado pela gente pobre, confeccionado com água, sal, banha, cebola e alho e a competente açafroa, que lhe dá o cheiro e o gosto peculiares.

Silvano A. Pereira, 1947

OUTROS USOS NÃO CORRENTES NOS AÇORES 

Um óleo comestível é obtido a partir da semente, com uma percentagem maior de ácidos gordos insaturados e menor em ácidos gordos saturados do que os outros óleos de sementes de vegetais. O óleo, de cor clara e facilmente clareado, é usado em molhos para saladas, óleos e margarinas. A sua inclusão na dieta contribui para reduzir os níveis de colesterol no sangue.

A planta também tem uma ampla gama de utilizações medicinais. A investigação moderna tem mostrado que as flores contêm um número de constituintes medicinais ativos e pode, por exemplo, reduzir as doenças coronárias e os níveis de colesterol. Analgésica, antibacteriana, antiflogística, hematopoiética. Trata tumores e estomatites. As flores são um laxante, purgativo, sedativo e estimulante.

São usadas ​​para tratar dores menstruais e outras complicações, promovendo um fluxo menstrual suave e ficaram em 3º lugar numa pesquisa com 250 plantas com potencial anti-fertilidade. As flores são usadas no tratamento de problemas infantis, como o sarampo, febre e problemas de pele. As folhas são aplicadas externamente a contusões, entorses, inflamações da pele, feridas etc..

As flores são colhidas no verão e podem ser usadas frescas ou secas mas não devem ser armazenadas por mais de 12 meses. A planta é um febrífugo, sedativo, vermífugo e sudorífico. A semente é diurética, laxante e tónica.

É utilizada no tratamento de reumatismo e tumores, especialmente tumores inflamatórias do fígado. O óleo, carbonizado, é usado para curar feridas e tratar reumatismo. No Irão, o óleo é usado como pomada para o tratamento de entorses e reumatismo. Plantado durante milhares de anos pelo corante que pode ser obtido a partir das flores.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...