pau brancoPau‑branco (Picconia azorica (Tutin) Knobl.) .

Existem evidências fósseis históricas da existência do género Picconia no período Terciário no Sul da Europa. Este género, que actualmente apenas existe na Macaronésia, é representado nos Açores, pela espécie Picconia azorica (Tutin) Knobl. É uma planta endémica do arquipélago, da família das Oleaceae, considerada em perigo (IUCN, 2006), por se verificar um declínio contínuo de área, extensão e qualidade de habitat.

Trata‑se de uma espécie protegida pela Directiva Habitats 92/43/CEE – Anexo II e pela Convenção de Berna de 1995 – Anexo I. A Picconia azorica é, em termos comuns, conhecida por pau‑branco e existe em todas as ilhas do arquipélago, excepto na Graciosa.

A Picconia azorica, em termos de tipo funcional, caracteriza‑se por ser uma árvore perenifólia de folhas lanceoladas a ovadas, normalmente coriácias e glabras. As flores, normalmente brancas estão dispostas em pequenos cachos axilares e o fruto é uma drupa.

Em termos históricos, esta espécie foi referida pela primeira vez na região para as ilhas do Pico e S. Miguel por Seubert (1844), tendo sido então designada como Picconia excelsa DC. Foi inicialmente considerada próxima da Picconia excelsa (Ait.) DC. da Madeira e Canárias, sendo mais tarde revista por Tutin e aceite como uma nova entidade botânica, com a denominação Picconia azorica (Tutin) Knobl., Notizbl, Bot. Gart. Berlin 11: 1028 (1934). Começa então a ser conhecida nas ilhas de S. Miguel e Pico e mais tarde alarga a sua distribuição para as ilhas do Corvo e Flores.

O pau branco ocorre entre os 300 e 600 m de altitude em locais secos e abrigados (ou de média exposição a ventos). Actualmente as formações dominadas por esta planta são extremamente raras, existindo apenas (e ainda) alguns exemplos remanescentes, tal como no Varadouro na ilha do Faial, onde é possível encontrar exemplares relíquia com mais de 10 m de altura.

No entanto, referências históricas confirmam que eram formações originalmente bastante mais extensas na paisagem de algumas das ilhas. S. Miguel, por exemplo, é descrito do seguinte modo pelo cronista Frutuoso: “Estava esta ilha, logo quando se achou, muito cheia de alto, fresco e grosso arvoredo de cedros, louros, ginjas, sanguinho, faias, pau branco e outras sortes de árvores, e em alguns lugares estavam espaços de serra cobertos somente de cedros e outros de louros, outros de ginjas, outros de sanguinhos e alguns de teixos, outros de pau branco e outro de faias…”.

Estas florestas foram sujeitas, ao longo de mais de 500 anos de ocupação, a uma forte competição do Homem, primeiro porque se localizavam em lugares privilegiados para habitação, depois pela fertilidade dos solos que ocupavam e finalmente pela qualidade da sua madeira (existem referências à solidez da madeira de pau branco tornando‑a adequada para carpintaria) sendo usada para a manufactura de arados e carros, pela sua grande dureza.

Além destes factores há que se assinalar que a invasão que os enclaves sobreviventes sofreram pelo incenso (Pittosporum undulatum) levou à eliminação de extensas áreas de florestas naturais por quase todas as ilhas. Assim, excluindo as pequenas manchas semi naturais onde a Picconia ainda domina, esta espécie ocorre como estruturante em faiais (dominados por Myrica faya) e em florestas laurifólias mésicas, também estas formações pequenas e em baixo número de manchas.

Outro aspecto de interesse ecológico desta espécie é o facto das suas bagas serem utilizadas na alimentação de diversas espécies de aves, incluindo espécies protegidas como o pombo‑torcaz (subespécie endémica) e o priolo (espécie endémica), favorecendo este processo a dispersão da Picconia azorica.

 

In Espécies florestais das ilhas, Eduardo Dias, Carina Araújo, José Fernando Mendes, Rui Elias, Cândida Mendes e Cecília Melo
Ver Biblioteca

 

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...