criptomeriaA Cryptomeria japonica é, hoje, considerada a espécie florestal mais importante do arquipélago dos Açores, não só pela sua importância económica, ocupando 60% da área de floresta de produção, mas também porque os seus povoamentos são um elemento estrutural das paisagens açorianas.

A criptoméria no seu ambiente natural: ecologia e etnobotânica.
A sua área de distribuição natural engloba o arquipélago japonês e as zonas temperadas húmidas ao longo do rio Yangtze, no sul da China, onde tem a denominação de Sugi. Apesar de não ser uma presença dominante nas florestas naturais, esta espécie mostrou ser uma das eleitas nas florestas plantadas.

A existência de plantações florestais de criptoméria no Japão reporta ao século XVI, quando a sua madeira foi muito procurada para a construção de templos budistas, sendo as plantas produzidas por semente e por estaca. Foram assim plantadas vastas florestas em torno dos locais onde se pensava construir os templos. No entanto, o seu uso é muito anterior e existem dados que provam a sua utilização em épocas tão antigas como 3500 a.C.

A relação especial que a cultura japonesa desenvolveu com esta espécie vai muito para além do sentido prático, ao ser fácil de reproduzir, crescer rápidamente e possuir um fuste erecto. É considerado que a textura e grão da madeira de criptoméria – de grão fino e linear, produzindo uma madeira macia mas consistente, com um alinhamento de veios, considerado perfeito – não só é esteticamente valorizada, como representa muito da filosofia de vida japonesa.

Embora de crescimento rápido nos primeiros anos, a criptoméria está entre as espécies de vida mais longa na Terra, sendo que o tempo médio de vida para os indivíduos mais velhos seja de 1600 anos, mas a indivíduos – como a Jomon Sugi e a Daio Sugi, tem sido atribuída uma longevidade/idade de cerca de 3000 anos. No Parque Nacional de Yakushima, estabelecido em torno de alguns dos povoamentos naturais mais monumentais desta espécie (Património da Humanidade desde 1993) existe uma relação muito profunda destas árvores com a cultura.

Os indivíduos maiores e mais velhos são muito respeitados e visitados, tendo cada um deles recebido um nome próprio um acesso específico.
Jomon Sugi é considerada como uma das árvores mais velhas, com 25,3 m de altura e 16,4 m de perímetro, na base. A maioria destes indivíduos está acima dos 700 m de altitude e são considerados dos menos monumentais de um passado recente, dado que os mais altos e de troncos rectos foram cortados para madeira.

É curioso que, tal como nos Açores foi no Japão, uma das espécies selecionadas para reflorestar o país após a Segunda Guerra Mundial, devendo‑se a essa política, tanto cá como lá, a vasta distribuição que a espécie possui.

A criptoméria é uma conífera que pertence à família Taxodiaceae, atingindo os 70 m de altura, na sua região de origem. De copa cónica  tem tronco direito, envolvido por uma casca acastanhada e fibrosa. As folhas são aciculares, rígidas, curvas, em forma de sovela, curtas, verde‑vivas e brilhantes.

As sementes estão suportadas num estróbilo globoso, pequeno, castanho‑avermelhado, quando maduro e em posição terminal.

Embora com uma distribuição que vai desde regiões temperadas, os maiores povoamentos de criptoméria encontram‑se em condições subtropicais, em que os valores de precipitação atingem 2540 mm anuais.

Geralmente em povoamentos mistos com carvalhos, são frequentes os povoamentos puros em encostas declivosas, com abundantes nevoeiros e ventos intensos. Estas condições são muito semelhantes às dos Açores e, por isso, não é de admirar que esta espécie, vinda de uma laurissilva, se tenha adaptado tão bem às montanhas do arquipélago.

Os primeiros povoamentos de produção Tal como as outras essências florestais vindas de longe, esta espécie foi introduzida nos Açores como árvore ornamental, em meados do século XIX, altura em que a constituição florística da ilha de São Miguel foi profundamente alterada, acontecendo o mesmo em quase todas as restantes ilhas dos Açores, devido ao alargamento da superfície arborizada com essências exóticas, em prejuízo do que resta da floresta original espontânea.

Em 1934, a composição da estrutura florestal da ilha de São Miguel caracterizava‑se pela existência predominante de matas de pinheiro‑bravo (Pinus Pinaster) (804 ha), de acácia da Austrália (Acacia melanoxylon) (570 ha) e de criptoméria (Cryptomeria japonica) (533 ha), uma realidade que, em nada, se assemelha à que temos, nos dias de hoje. Em 1951, a área arborizada nesta ilha não atingia os 6% da área territorial.

Esta percentagem estava muito aquém dos 35%, considerados como apropriados. Este valor reflectia a má situação em que se encontrava o sector florestal, resultante da inexistência de um correcto ordenamento do território, situação criada pela exploração desregrada e descontrolada, não compensada por correspondente plantação, tendo sido agravada pela Segunda Guerra Mundial.

Reconhecendo a existência de extensas áreas subaproveitadas de terrenos incultos particulares e de baldios, foram tomadas medidas pelo Estado não só a nível de protecção das áreas florestais, como de fomento silvícola, sendo então criada, em 1948, a Circunscrição Florestal de Ponta Delgada*, que prontamente elaborou e executou Planos de Arborização para os baldios existentes nas ilhas de São Miguel e de Santa Maria.

Foi então que se iniciaram os trabalhos de repovoamento florestal em larga escala, o estabelecimento de viveiros florestais, onde era gratuita a distribuição de plantios e sementes de criptoméria japónica pelos particulares, o aproveitamento silvopastoril e a construção de caminhos florestais e outras infra‑estruturas.

Esta instituição imediatamente pôs em execução legislação que obrigava os proprietários a rearborizar após o abate das matas, e condicionava os cortes de arvoredo e as transformações de culturas, travando o processo da exploração desregrada das áreas florestais.
Em 1960, são criadas as Circunscrições Florestais das cidades de Angra do Heroísmo e Horta, que deram continuidade a estes trabalhos nas restantes ilhas do arquipélago.

O aumento das áreas florestais, sobretudo com criptoméria, foi fruto da acção impulsionadora dos Serviços Florestais na Região que, nos últimos 40 anos, apostaram nesta espécie, atendendo ao seu melhor comportamento aos ventos, relativamente ao pinheiro-bravo, à acácia da Austrália e ao seu bom nível de crescimento.

Em 1989, a área florestal, que era de 6% em 1948, passou para 21%, na ilha de São Miguel. Este equilíbrio deveu‑se não só à acção de fomento dos Serviços Florestais como ainda ao esforço da iniciativa privada, à qual não era alheia uma certa tradição florestal da maioria dos proprietários, que até 1982 não tinha qualquer incentivo para arborizar a ilha.

A importância actual dos povoamentos de produção Nas últimas décadas, como resultado das políticas comunitárias e dos seus apoios financeiros, assistiu‑se a um surto de florestação de novas áreas e à rearborização de outras, ambas sujeitas agora a planos orientadores de gestão que garantem as boas práticas florestais. Reportando‑nos somente à floresta de produção, em termos globais, esta é claramente dominada pela Cryptomeria japonica. Esta espécie ocupa, no todo regional, uma área de 12.500 hectares aproximadamente, o que representa cerca de 60% da floresta de produção regional.
 .
Adaptação ao meio açoriano: crescimentos, ecologia e sensibilidades.
Nos Açores, a Criptomeria japonica é subespontânea mas de forma tão limitada que o seu comportamento pode quase ser classificado de cultivar.
Na verdade, apenas em alguns vales de solos mais quentes (águas termais, por exemplo), geralmente em clareiras das matas plantadas, se encontra reprodução a partir da semente.

Nas restantes áreas, a espécie foi, de facto, plantada, tendo sido a sua reprodução realizada em viveiro. A criptoméria, criptomé, cedro‑do‑japão, ou simplesmente cedro, como tem vindo a ser vulgarmente conhecida, ou até mesmo como árvore do Natal (dado a progressiva tradição de utilizar esta espécie como o símbolo natalício) encontrou, nestas ilhas, um clima semelhante ao da sua origem. A elevada precipitação, nas zonas montanhosas, bem distribuída ao longo do ano, e uma humidade relativa elevada, são fundamentais ao seu crescimento que, nesta região, é susceptível de formar bons e aprumados fustes e de se verificarem, com frequência, crescimentos médios anuais superiores a 20 m3/ha/ano (da mesma ordem de grandeza das plantações de eucalipto do Continente).

À excepção de algumas situações, onde as condições do solo constituem efectivamente um constrangimento, o vento é o principal factor limitante, quer na instalação de novos povoamentos, quer na manutenção da estabilidade de povoamentos adultos.
Quanto aos crescimentos, a classe de qualidade média para os Açores ronda os 23 m3/ha/ano, o que corresponde a um volume final de 690 m3/ha de indivíduos com idade permitida, por lei, para a realização do corte (30 anos),.

Aos 30 anos, uma árvore apresenta uma altura dominante média de 21 m e um diâmetro médio de 28,1 cm a 1,30 m. No Japão, os acréscimos médios são de 12 m3/ha/ano para povoamentos explorados aos 40 anos, mas a rotação, por vezes, é alargada até aos 60 anos.

Esta espécie regenera de forma natural nos Açores, onde ocorre uma abundantíssima frutificação. Mas o repovoamento das áreas exploradas não é viável sem o recurso à plantação, devido à baixa capacidade germinativa da semente, e à elevada competitividade de infestantes como a conteira (Hedychium gardneranum), a silva (Rubus inermis), a acácia (Acacia melanoxylon) e o incenso (Pittosporum undulatum), que proliferam muito rapidamente nas zonas que foram sujeitas a corte, não dando oportunidade à germinação da semente de criptoméria, que é claramente uma espécie de luz.

Os povoamentos são instalados geralmente em zonas bastante declivinosas em que os solos são mais difíceis de trabalhar e situam‑se, em média, acima dos 400 m de altitude. São essencialmente as condições orográficas que condicionam a plantação e exploração dos povoamentos, salvo raras excepções de arborização em pastagens, as operações de instalação dos povoamentos são exclusivamente manuais, devido à topografia do terreno.
É uma espécie plástica quanto ao solo, mas suporta mal os terrenos com má drenagem.

Em terrenos de escórias vulcânicas (bagacinas), apesar da grande espessura efectiva, se os horizontes superficiais forem pouco desenvolvidos, os crescimentos do povoamento são reduzidos, o que se reflecte na qualidade da madeira, apresentando esta uma densidade superior à verificada em solos mais evoluídos. Prospera quer em solos planos, quer sobre vertentes abruptas, entre os 150 e os 800 m, com um crescimento muito rápido.

A nível sanitário, a única dificuldade que esta espécie encontra, actualmente, nos Açores, é a incidência da Armillaria mellea. Este fungo ataca os povoamentos não só de Criptomeria japonica, como de outras espécies florestais, com prejuízos na qualidade da madeira e condicionando a rearborização nas áreas afectadas. Neste domínio, a Direcção Regional dos Recursos Florestais, através do seu Plano de Melhoramento Florestal, está a apostar na propagação de árvores de criptoméria resistentes a este fungo, através da selecção de uma variedade de cerne negro de existência mais rara, efectuados na Região reconhecem carácter resistente.
.
Técnicas de produção e tipologia dos povoamentos
No arquipélago dos Açores, o sector silvícola é constituído por 2 grandes grupos: a floresta de produção e a floresta de protecção. Embora não haja uma fronteira clara e bem definida entre o que se possa considerar floresta de produção e floresta de protecção, uma vez que, dada a natureza dos solos locais e o acidentado do terreno, a floresta plantada desempenha um importante papel de protecção, ocupando 35% da área total de floresta nas ilhas, sendo os restantes 65% floresta de protecção.

A presença de floresta de criptoméria em altitude, nas ilhas dos Açores, onde o regime da maioria das ribeiras existentes é, actualmente, torrencial, contribui para um importante aumento das reservas de água, através da captação de nevoeiros e da água das chuvas, pelas copas das árvores, e para o combate à erosão dos solos, causada pelo vento e precipitação.

Esta espécie é também largamente utilizada em cortinas de abrigo nas explorações agro‑pecuárias. A sua densa copa constitui um obstáculo ao vento, protegendo os animais e contribuindo para um bom rendimento da pastagem. São estas estruturas agro‑florestais que fazem com que o verde dos Açores assuma várias tonalidades.

Relativamente à silvicultura da espécie, normalmente utilizam‑se compassos de instalação de 1,7 × 1,7 m a 2 × 2 m, embora os povoamentos adultos, hoje existentes, tenham sido instalados com compassos inferiores a 1,5 × 1,5 m. A densidade de plantação varia entre 2500–4000 árvores/ha.
 verificando‑se o mesmo na instalação dos povoamentos artificiais no Japão.

Os povoamentos que actualmente se aproximam do termo da revolução, nos Açores, apresentam em média cerca de 1900 árvores/ha, valor que reflecte a fraca incidência de desbastes até à idade de revolução.

A Direcção Regional dos Recursos Florestais assegura, anualmente e em toda a Região, a produção de plantas de criptoméria, para além de outras espécies para áreas de produção, e de endémicas destinadas às zonas de protecção. A propagação, em viveiro, é sempre feita por semente e, após 2 anos (1 + 1) de viveiro, as plantas estão aptas para a plantação.

A estacaria é utilizada apenas em ensaios no âmbito do melhoramento florestal, e a rebentação de touça não é significativa, de modo a ser considerada uma forma de regeneração dos povoamentos. Tradicionalmente, a semente utilizada na produção de plantas era proveniente de cortinas de abrigo, ou de árvores de bordadura dos povoamentos f lorestais.

Hoje em dia, o Programa de Melhoramento Florestal, levado a cabo pela Direcção Regional dos Recursos Florestais tem vindo a desenvolver diversas acções, que resultam na obtenção de semente seleccionada, com o objectivo de produzir plantas de qualidade superior.
.
A madeira de criptoméria – vantagens e inconvenientes.
Sendo explorada em fustadio, a criptoméria produz uma madeira macia e fácil de trabalhar, leve e duradoura que, no entanto, estala facilmente quando pregada, sendo empregue frequentemente em construção civil (cofragens), carpintaria de limpos, mobiliário e caixotaria. A frequência de ventos nos Açores, conjugada com a rapidez de crescimento da espécie produz anéis de espessura muito heterogénea, excêntricos e com grande incidência de lenho de tensão e tracção, pelo que a estabilidade da madeira, para produção de peças de grandes dimensões, não é das melhores.

Com efeito, a madeira com melhores características tecnológicas é produzida nas estações de pior qualidade, onde os crescimentos são menores.
.
O plano estratégico para o desenvolvimento da silvicultura dos Açores.
No arquipélago dos Açores, a floresta ocupa, actualmente, uma área aproximada de 70.000 hectares, o que corresponde a uma taxa arborizada média por ilha de 30%.

A partir de 1994, com a entrada do II Quadro Comunitário de Apoio e das medidas de Acompanhamento da Política Agrícola Comum (PAC), foram criados, nos Açores, instrumentos de incentivo à arborização de terras agrícolas do sector privado, e à arborização e rearborização de áreas não agrícolas, assim como à beneficiação de povoamentos já existentes do sector público e privado. Este tipo de incentivos comunitários resultaram, segundo os dados mais recentes do inventário florestal da Direcção Regional dos Recursos Florestais, no aumento da taxa de arborização na Região Autónoma dos Açores. Actualmente, a ilha de São Miguel tem uma taxa de arborização superior a 25% e detém mais de 70% dos povoamentos de Criptomeria japonica.

Estes incentivos comunitários têm igualmente favorecido uma afectação correcta dos solos, o que conduz a um ordenamento territorial equilibrado, tendo em conta as suas características físicas e climáticas. Nas áreas que se submeteram às ajudas comunitárias, há obrigatoriedade de implementação de uma silvicultura adequada à espécie plantada, recorrendo às operações de condução de povoamentos.

Na condução dos povoamentos de criptoméria realizam‑se limpezas interespecíficas e retanchas até aos primeiros 3– 5 anos de idade, altura em que o copado começa a fechar e a suprimir o sub‑bosque.

Posteriormente, entre os 7–9 anos de idade, efectuam‑se 1 a 2 limpezas intra‑específicas, removendo‑se as árvores dominadas e mal conformadas, e 1 a 2 desramações, em período semelhante. Apesar de ocorrer uma boa mortalidade natural dos ramos, resultante da elevada densidade de plantação, é frequente os mesmos permanecerem por muito tempo presos na árvore, dando origem a nós mortos, que desvalorizam grandemente a madeira. As desramas são, deste modo, necessárias para a obtenção de material lenhoso com qualidade superior.

O modelo de silvicultura para uma classe média de produtividade de “21 m” (altura dominante = 21 m aos 30 anos) da criptoméria prevê ainda a realização de 2 desbastes pelo alto mistos, aos 18 e aos 23 anos, de forma a garantir às árvores que deverão permanecer até ao final da revolução melhores condições de crescimento, estimando‑se que aos 30 anos, idade de corte, se obtenha uma média de 1200 árvores/ha.

Estes incentivos à florestação e rearborização vão continuar a existir, no III Quadro Comunitário de Apoio, cuja orientação principal será a de tornar sustentável a produção florestal. Deste modo, de acordo com as características deste sector na região, a Estratégia Florestal Regional definiu, como objectivo global, aumentar a contribuição da floresta para a economia e para a melhoria do ambiente, reduzindo o seu carácter subsidiário e residual na Região Autónoma dos Açores.

Esta estratégia concretiza‑se nos seguintes objectivos: aumentar a competitividade (qualidade e eficiência) do sector florestal com vista a uma floresta sustentável; apoiar a valorização profissional, promovendo o aumento do conhecimento ao nível das competências florestais; garantir a redução de riscos relativos à flora invasora, pragas e doenças, e a melhoria da viabilidade vegetativa e da sanidade dos povoamentos florestais; contribuir para um correcto ordenamento físico do território açoriano para a protecção, valorização e gestão dos seus recursos naturais e dinamizar o uso múltiplo da floresta.

In Espécies florestais das ilhas, Eduardo Dias, Carina Araújo, José Fernando Mendes, Rui Elias, Cândida Mendes e Cecília Melo
Ver Biblioteca

 

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...