gorgulhoFOLHAS DIVULGATIVAS: BANANEIRA SÉRIE PRAGAS: Nº3  BANANEIRA
Julho 2005
Autores: Arícia D. Figueiredo & David J. H. Lopes
Universidade dos Açores – Departamento de Ciências Agrárias
PRAGA
Nome vulgar: Gorgulho-da-bananeira
Nome científico: Cosmopolites sordidus (Germar 1824)
SINTOMATOLOGIA
Os sintomas interiores observam-se ao cortar o pseudo-tronco ao nível do rizoma, podendo observar-se galerias (Foto 2) (muito características), construídas pelas larvas (Foto 3) que logo após a sua eclosão iniciam a sua alimentação nos tecidos e vasos, impedindo assim que esta tenha um desenvolvimento normal, enfraquecendo a planta de tal forma que esta se quebra facilmente com o vento, diminuindo a produção ou mesmo levá-la à morte.
A presença do gorgulho numa plantação pode passar despercebida devido à actividade nocturna dos adultos e da localização das larvas apenas no interior da planta.
Os sintomas exteriores na planta são o amarelecimento das folhas, a diminuição do tamanho do cacho e do fruto e uma fraca resistência da planta ao
vento.
DISTRIBUIÇÃO
O gorgulho-da-bananeira (Cosmopolitas sordidus Germar) (COLEOPTERA: DRYOPHTHORIDAE) é um insecto oriundo da Ásia com uma larga distribuição mundial. Actualmente encontra-se disseminado nos Açores, onde é comum aparecer em todos os bananais.
BIOECOLOGIA
O gorgulho-da-bananeira passa por quatro estadios de desenvolvimento distintos, (ovo, larva, pupa e adulto).
O adulto (Foto 4) refugia-se durante o dia nas “socas” velhas da bananeira ou entre as inserções foliares no pseudo-tronco da planta que se encontram no solo, alimentando-se de restos vegetais em decomposição. A sua longevidade pode chegar aos 2 anos.
A fêmea deposita os ovos na base do pseudo-tronco. Deste ovo emerge uma larva que possui um corpo rugoso de cor esbranquiçada que contrasta com a cabeça de cor castanho claro.
Esta é a fase que causa o maior prejuízo, pois a larva alimenta-se dos tecidos vivos da planta, escavando galerias com o aparelho bucal completando o seu ciclo no interior dos rizomas, e coloca-se perto do exterior quando se prepara para passar ao estado de pupa.
Durante a fase de pupa permanece imóvel e depois daí emerge o adulto.
MEDIDAS DE COMBATE: CULTURAIS
Ao efectuar novas plantações utilizar material isento do insecto;
Cortar todos os restos da planta mãe em pedaços pequenos de forma a permitir a sua rápida
decomposição;
Manter as zonas em volta da planta limpas de detritos vegetais;
Proceder ao desfilhamento, deixando em cada soca apenas a “mãe” e o “filho”, cortando-as à altura do solo e cobrindo-as com terra;
Manter o solo com boa fertilidade e aplicar correctivos necessários;
Eliminar das plantas todas as folhas secas.
QUIMÍCAS:
Aplicação directa de 10 a 15grs de grânulos de etoprofos na soca, 30 a 45 dias depois da bananeira ter sido cortada;
BIOTÉCNICOS: ARMADILHAS
Colocar “armadilhas” elaboradas com pedaços do pseudo-tronco da bananeira, cortados ao meio, e depois percorre-las de 4 em 4 dias recolhendo
e matando os gorgulhos;
Colocação da armadilha circular com difusor Cosmotrack, que é uma feromona que atrai os gorgulhos para a armadilha; deve conter água com um
pouco de sabão para que quando caiam morram afogados.

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...