maçãFOLHAS DIVULGATIVAS: MACIEIRA SERIE PATOLOGIA Nº3
Autores: Drumonde Melo, C1.; Lorenzo Bethencourt, C.D2.; Prendes
Ayala, C2.; Giménez Mariño, C2.; Cabrera Pérez, R2. Horta López, D.J1.
(1Dept. C. Agrarias-Univ. Azores; 2UDI Fitopatología-Univ La Laguna)
Julho 2005
DOENÇA:
Português: PODRIDÃO BRANCA
Castellano: PUDRICION BLANCA
Inglês: WHITE ROT
SINTOMATOLOGIA
As lesões nos frutos surgem 4-6 semanas antes da colheita, embora a infecção possa ocorrer antes.
Inicialmente as lesões apresentam-se em forma de pequenas manchas, frequentemente circulares, ligeiramente próximas umas das outras, de cor castanho a negro, que podem estar rodeadas por um halo vermelho. Nas variedades de pigmentação vermelha, este halo pode apresentar uma coloração de vermelho escuro a negro.

Algumas infecções ficam latentes, formando-se por debaixo da epiderme uma zona suberosa, que conduz o agente patogénico ao ponto de entrada. À medida que as lesões aumentam de diâmetro, a zona podre estende-se até à parte central do fruto. Nas fases mais avançadas da doença, a zona central do fruto chega mesmo a apodrecer acabando esta podridão por atingir todo o fruto. Também nas fases mais avançadas da doença podem aparecer sobre a superfície do fruto grupos dispersos de picnídios. Os frutos podres acabam por se desprender da árvore, embora alguns fiquem enrugados e permaneçam unidos à árvore.

A infecção dos ramos e rebentos inicia-se em torno das lentícelas sob a forma de pequenas lesões avermelhadas e de zonas descoloradas nos bordos das feridas. Nas fases seguintes da infecção as células corticais colapsam, a casca deprime-se e formam-se rugas. Frequentemente estas feridas rompem-se e rasgam a epiderme exsudando um líquido.

A periderme adquire uma coloração de castanho a laranja forte, acabando a pele por rebentar. Os bordos dos cancros jovens activos tomam com frequência uma coloração vermelho escura, tornando-se os tecidos corticais do seu interior necróticos. À medida que estes cancros se desenvolvem, os seus bordos tendem a romper-se. Quando vários cancros se unem pode ocorrer o estrangulamento dos ramos principais.
Durante o Inverno este fungo permanece nos ramos infectados, onde produz os esporos que posteriormente são disseminados acabando por contaminar novos ramos. Os ramos e as feridas na casca são especialmente susceptíveis à inserção. A infecção dos frutos ocorre desde que as condições ambientais sejam favoráveis, ou seja, humidade elevada. Contudo, árvores que se encontram em condições de stress possuem uma maior a probabilidade de desenvolverem cancros nos seus ramos.
ORGANISMOS CAUSADORES
Botryosphaeria dothidea (Moug. ex Fr.) Ces. & de Not. (=B. ribis Gross.& Dugg.)
Anamorfo: Fusicoccum aesculi Corda
Nas amostras colhidas na Terceira também se isolou Botryosphaeria lutea A.J.L. Phillips
RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLO:
È preciso ter em conta a susceptibilidade da variedade de macieira;
O controlo baseia-se em práticas culturais que conduzam à redução da fonte inicial de inoculo, e em tratamentos fungícos;
Deve-se retirar da árvore todos os pedúnculos mortos, cancros e frutos mumificados.
Nos locais mais propícios a esta doença deve-se seguir um programa de tratamentos preventivos.

 

{pdf=images/biblioteca/pragas-doencas-regional/{pdf=images/biblioteca/pragas-doencas-regional/Patologia - 3 - Podridão Branca - Macieira.pdf|100%|500|native}

 

 

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...