lepra pessegueiroFOLHAS DIVULGATIVAS: PESSEGUEIRO SERIE PATOLOGIA Nº11
Autores: Drumonde Melo, C1.; Lorenzo Bethencourt, C.D2.; Prendes
Ayala, C2.; Giménez Mariño, C2.; Cabrera Pérez, R2. Horta López, D.J1.
(1Dept. C. Agrarias-Univ. Azores; 2UDI Fitopatología-Univ La Laguna)
DOENÇA:
LEPRA DO PESSEGUEIRO
Castellano:LEPRA
Inglês: LEAF CURL
SINTOMATOLOGÍA
Durante a Primavera podem-se observar nas folhas jovens manchas amarelo avermelhadas. O tecido da folha torna-se espesso e carnudo, apresentando zonas deformadas que dão à folha um aspecto de “enrugado”. Sobre essas zonas deformadas pode aparecer um pó esbranquiçado.
As folhas afectadas podem desprender-se e cair no solo, ou então permanecer na árvore. Quando a infecção é muito intensa, as folhas afectadas podem adquirir uma coloração castanho avermelhada.
O tamanho dos frutos pode ser fortemente reduzido, podendo-se também observar a deformação dos rebentos verdes quando estes são infectados.
Raramente os frutos são atacados, mas quando são exibem lesões irregulares, avermelhadas, salientes e enrugadas.
ORGANISMOS CAUSADORES
Taphrina deformans (Buró) Tulasne
DISTRIBUIÇÃO:

É uma doença com ampla distribuição a nível mundial. Na Terceira foi encontrada em todas
as áreas de cultivo.
RECOMENDACÕES PARA O CONTROLO:
Nenhuma cultivar é imune a esta doença, contudo a susceptibilidade é variável, só algumas cultivares são resistentes
O controlo desta doença é efectuado principalmente com o recurso a fungicidas e a variedades resistentes. As medidas sanitárias e as práticas culturais não são muito eficazes. Geralmente os fungicidas são aplicados antes do desenvolvimento da gema principal, embora em algumas situações se proceda à sua aplicação depois da queda das folhas.
Os fungicidas utilizados com maior frequência são o ferban e a calda bordalesa.

 

{pdf=images/biblioteca/pragas-doencas-regional/{pdf=images/biblioteca/pragas-doencas-regional/Patologia - 11 - Lepra do Pessegueiro.pdf|100%|500|native}

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...