maracuja_seloO maracujá produzido na ilha de S. Miguel desde o século XVIII distingue-se pelo seu perfume intenso e características organolépticas sui-generis .

Algumas características do produto: O maracujá de S. Miguel tem uma casca lisa e brilhante com uma coloração púrpura uniforme, uma polpa amarelo dourada, onde se encontram as pequenas sementes envolvidas por uma película viscosa e sumarenta de sabor agradável e um perfume intenso, forte e característico.

Caderno Especificações DOP Maracujá

Área geográfica de produção: Ilha de S. Miguel

Entidade Certificadora: Comissão Técnica de Certificação e Controlo (Despacho Normativo nº 259/93, de 30 de Dezembro)

Agrupamento Gestor da DOP: FRUTAÇOR Rua do Rosário - Posto Agrícola - 9600 Ribeira Grande Telefone/Fax: 296 473400

 

{slide=Nota In: Produtos Tradicionais Portugueses |closed}
maracujaParticularidade
Fruto de casca dura, rugosa, de cor púrpura uniforme e polpa amarel0-clara
com grainhas. Sabor e perfume intensos.

Descrição
Fruto do maracujá da espécie Passiflora edulis Sims (maracujá roxo). Tem forma oval, com diâmetro de 5 a 6 cm, casca coriácea, lisa e brilhante. A polpa é amarela, muito sumarenta, ligeiramente ácida e com pequenas sementes pretas, ovais e achatadas, envolvidas em película viscosa e sumarenta. Apresenta um forte perfume. O fruto tem cerca de 52% de casca, 34% de polpa e 14% de semente.
O seu peso é variável pois os frutos pesam, no Verão, de 24 a 28 g e, no Inverno, de 35 a 40 g.

História
A introdução do Maracujá nos Açores não está muito clara. Supõe-se que terá
sido introduzido nestas regiões como consequência dos Descobrimentos portugueses e a tendência da época para tudo experimentar. Contudo, o maracujá é hoje uma planta quase espontânea nos Açores onde, para além da sua utilização como planta ornamental, se consome de variadíssimas formas. A sua cultura foi durante muitos anos de carácter familiar, sem grandes cuidados. Contudo, nos anos 40, aparece um produtor que começa a produzir maracujá em grande escala, para exportação (Ezequiel Moreira da Silva).

Uso
Para além do seu consumo em fresco, a qualquer hora do dia, o maracujá  serve de base a diversa doçaria regional, ao fabrico de xaropes e sumos e também para a fabrico do Licor de Maracujá. É também usado para condimentar certos pratos de peixe como, por exemplo, o peixe-espada.


Saber Fazer
O maracujá é cultivado em solos leves, férteis, bem drenados e protegidos do vento. Como se trata de uma trepadeira precisa de condução tutorada. O maracujá é propagado por via seminal. As sementes são retiradas do fruto maduro, secas sem sol directo durante seis dias e colocadas num saco de pano em local seco. Para a propagação as sementes são colocadas em tabuleiros de areia da ribeira, ligeiramente compactadas e recobertas por camada fina de areia. Os tabuleiros são regados a pulverizador e mantidos em estufa fechada até ao início da germinação. Esta operação tem lugar em Dezembro, em estufa, e a germinação inicia-se cerca de 30 dias depois.

A repicagem faz-se quando as duas primeiras folhas verdadeiras já estão formadas e quando a planta atinge 6 a 7 cm de altura. Esta operação é feita para recipientes de diâmetro de 10 a 12 cm, perfurados no terço inferior para facilitar a drenagem, e cheios com terriço (duas partes de terra vegetal, essencialmente formada por folhas de abrigo, e uma parte de areia). Quinze dias antes da passagem para o exterior, abrem-se as janelas da estufa para equilibrar o meio ambiente interno com o externo. O compasso garante uma distância de 4,5 a 5 m entre grupos de duas plantas. A colheita efectua-se de Dezembro a Março e de Julho a Outubro, sendo feita duas vezes por semana por meio de corte pelo pedúnculo. As plantas são renovadas todos os três anos. O acondicionamento comercial é feito em caixas de cartão com alvéolos para 24 ou 36 frutos.

Produção
Não está calculada a produção de maracujá. Produzido exclusivamente na ilha de S. Miguel, tal como definido no Despacho SRAP/94/4 do Secretário Regional de Agricultura e Pescas da Região Autónoma dos Açores. Reconhecida a Denominação de Origem pelo Despacho acima referido.

In: Produtos Tradicionais Portugueses - Vol 1
Direcção-Geral de Desenvolvimento Rural
Lisboa 2001


{/slides}

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...