bolo_sertaOutras Denominações
Bolo de laje.

Particularidade
Pão redondo, achatado, que se come quente.

Descrição
O Bolo da sertã — tradicional em S. Miguel, em S. Jorge e no Pico — é uma espécie de pão feito com farinha de milho, sem fermento e só com água e sal.
Tem cerca de 25 cm de diâmetro e 3 cm de altura. Em S. Miguel cozem-se os bolos na sertã. A sertã é uma espécie de frigideira ou disco grande de barro não vidrado, cozido e com uma bordadura, fabricado em S. Miguel, nas olarias da Ribeira Grande e Vila Franca do Campo. Esta sertã pode ser aquecida com qualquer tipo de combustível.

História
Segundo Carreiro da Costa, a origem remota do Bolo da sertã é mourisca, sendo o seu sistema de fabrico semelhante ao de várias zonas do continente e da Madeira. A confecção do Bolo da sertã é uma tarefa muito simples, pelo que se considera como ciência mínima para toda a rapariga que se quer casar.
Numa antiga cantiga da ilha Terceira, citada por Carreiro da Costa, diz-se:

Ó Pico, rocha tão alta,
Onde a neve faz tijolo!
Meninas, quereis casar
E não sabeis fazer bolo?

Uso
Estes bolos devem ser comidos quentes e acompanham diversos pratos,
podendo, no entanto, ser comidos só com manteiga. São feitos, geralmente,
quando em casa há falta de pão, nos dias antes da cozedura. Trata-se, portanto, de um tipo de pão algo improvisado, porquanto é fabricado quando o «verdadeiro» pão rareia. Esta prática revela, ainda, os antigos hábitos «nómadas» de certas populações.

Saber Fazer
A massa destinada ao bolo é feita com farinha de milho, água muito quente, sal e um pouco de farinha de trigo. Depois de escaldada e amassada, fazem-se pequenas bolas que se espalmam sobre a tendeira polvilhada com farinha.
Seguidamente o disco de massa é colocado sobre a sertã bem quente ou sobre simples pedras aquecidas, deixa-se alourar e vira-se. O processo de fazer este bolo varia de ilha para ilha. Assim, por exemplo, como refere Leite de Vasconcelos, na Calheta e Piedade (S. Jorge e Pico) cozem uma espécie de pão chamado bolo de farinha de milho, sem fermento e só com sal e água; aquecem no pátio uma laje móvel, acendendo-lhe lume em cima; depois limpam-na e colocam-na sobre a massa tendida. Temos aqui um costume de carácter bastante primitivo. Noutras terras do arquipélago cozem o bolo num tijolo redondo
aquecido sobre uma trempe com lenha.

Produção
Dada a dispersão e a produção doméstica, é impossível de quantificar.

In: Produtos Tradicionais Portugueses - Vol 3
Direcção-Geral de Desenvolvimento Rural
Lisboa 2001

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...