Como realizar uma Quarentena

Você ou um ente querido tem febre leve, dores no corpo, o início de uma tosse seca e irritante. A comida não tem gosto nem cheira como antes. Talvez sinte falta de ar ou custa respirar...

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos aconselhável é a adição de...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos vegetais. Tais processos encontram-se...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada ilha uma determinada cor (ou...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles que, no decorrer dos tempos, vêm...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente “Marginata”, com folhas às riscas...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na densidade na...

As pessoas principais que vinham na armada francesa e as que nela prenderam e morreram, e as que fugiram, são as seguintes: Filipe Strosse, geral da armada, prendeu-se, ferido de uma arcabuzada de que logo morreu.
O conde de Vimioso, prendeu-se, ferido de arcabuzadas e uma estocada, de que morreu na capitaina, o outro dia depois da batalha.
O conde de Brissac, logo-tenente de Filipe Strosse, salvou-se fugindo, vendo a rota de sua armada; outros dizem que não entrou na batalha, com suas oito naus.
Monsior de Beaumont, mestre de campo geral do exército, morreu na batalha.
Os oito cabos de outros tantos regimentos , de uns dizem que são mortos e outros feridos.
Os senhores de vilas e castelos que se tomaram na armada vivos e presos: Monsior de Bocamaior, senhor de Ruzella Monsior João de Latos, senhor de Heria Guilhelmo de São Cler, senhor de São Cler Luís de Clem, senhor de Brons Pierre de Vui, senhor de Quenes Gilbert de Vuel, senhor de Vuel Monsior d’Auda, senhor d’Auda Monsior Franconis, senhor de Montilla Monsior Jacques Bai, filho maior do senhor de Biopales Monsior Robeja de Lella, filho do senhor de Veosoli Monsior Gilelmo Mason, senhor de Falha Monsior Rigart de Piloat, senhor de Matari Monsior Belerá de Arigart, senhor de Estrujas Pierre de Bram Monsior de Gal, senhor de Gal Monsior de Gifardi, senhor de Gifardel Monsior de Onct, filho maior do senhor de Gracol Oduart de Langert, senhor de Apiel Fabio Ganzet, filho do senhor de Gancete Monsior Pierre Jailato, senhor de Sans Monsior Filipe Meteti, senhor de Sabruza Monsior João de Bocamaia, senhor d’Arozila Claudio de Pamolim, senhor de Popolim Jacobo Lazarcam, senhor de Lazarcam Monsior de Mondoc, ou Mondoe , senhor de Mondoc, ou Mondoe .
Os fidalgos prisioneiros, não senhores de vilas nem castelos: Pierre de Noi, irmão do senhor de Grecol François Fusto, irmão do senhor de Hetsaus Claudio de Ardalha Antonio Coblal Acencerei Pierre Imbim O capitão Jaques Martim de Tubelhi Jacobo de Lum François de Nautoneli François Pietre Mateo Lupi Benit Jorga René Boonon Nicolau Vitar Tomaz de Laveros João de Brusmão Robert de Davasiert Guy de Muhafu Jorge de Boas Pier de Maribai Claudio de Musu Roni de S. Martim Antonio Brodel Miguel de Brufa Guilhermo Menart Limesce Pierre Leprobol Alessie de Rivera François Pensso Monsior Antonio de Brusio, capitão de infantaria Bietri Jorquerti, capitão de infantaria Claudio de Ploanem, tente de monsior de Boamont Lapueli Menseroy Boudios Camer Matheo Pui Pierre de Mariban Jauberdio O proto-medico monsior Abraham François Buculi Carle de Sancta Vetu Saubat de Lisceos Tomaz de Lone Pierre de Clamadier Luís de Neust Claude Nainoct Doribat, capitão de infantaria Eliat de Sayam Ano de Trevilho.
Além destes, houve prisioneiros, entre marinheiros e soldados, trezentos e treze.
Os mortos e feridos que houve na armada de Hespanha, o dia da batalha: No galeão S. Martinho : Feridos: setenta Mortos: quinze No galeão S. Mateus: Feridos: setenta e quatro Mortos: quarenta, afora alguns que ficaram no mesmo chamuscados de fogo artificial, e entre eles o vedor geral no rosto; Na nau Maria de Guipuscoa Feridos: cinquenta e dois Mortos: quarenta e cinco Na nau S. Vicente Feridos: vinte e oito Mortos: vinte e sete Na nau Santa Maria de Yciar Feridos: dezassete Mortos: cinco Na nau Boaventura Feridos: cinco Mortos: seis Na nau Joana Feridos: vinte e sete Mortos: treze Na nau Catarina Feridos: sete Mortos: treze Na nau de Oquendo Feridos: vinte e quatro Mortos: dezassete Na nau Santo António de Boa Viagem Feridos: dezasseis Mortos: quinze Na nau Misericórdia Feridos: treze Mortos: seis Na nau Nossa Senhora da Penha de França Feridos: treze Mortos: dois Na nau S. Miguel Feridos: sete Mortos: nenhum Nas outras mais naus da armada Feridos: cento e noventa Mortos: vinte De maneira que houve, por esta conta, na armada de Sua Majestade, quinhentos e cinquenta e três feridos nesta batalha, e duzentos e vinte e quatro mortos, que são todos setecentos e setenta e sete.