plantaçãoO linho está presente na alma dos mais velhos sebastianenses, que se alegram com uma eterna memória.
É que, tal como o trabalho do moleiro e outros, o engenho do linho tende a desaparecer. É artesanato do mais puro que se perde na poeira do tempo, e que vai sendo substituído pela maquinaria moderna.

Eram necessárias várias fases desde que a terra era amanhada até aos trabalhos finais, a urdidura e a tecelagem. Era um engenho complexo, demorado e custoso, mas muito bonito e tradicional.

O primeiro passo era o amanho da terra. Estando o terreno lavrado, semeava-se à mão milho, feijão e sementes de abóbora nas leivas, e grada-se com a grade de dentes, para a terra ficar solta. O terreno estava pronto para a segunda fase da lida, a sementeira.

Nesta segunda parte, o lavrador começava a semear a linhaça, regulando-se pelos sulcos divisores dos talhões. Oito dias depois da sementeira, a terra era regada pela primeira vez, tarefa que se sucedia intervalada pelo mesmo período de tempo. Semeado nos fins de Abril, o linho encontrava-se maduro por alturas do São João. Nessa altura, procedia-se à arriga – arrancar as plantas tenras e dispô-las em molhos de oito mãos cheias.

Depois de tirado do carro, o linho era preso ao ripo e era ripado. O ripo é formado por um cavalete, dentes, um ferro e argolas para o segurar à cabeçalha do carro. A ripa costuma começar ao início da madrugada, para estar pronta ao amanhecer.

Enquanto os ripadores almoçam, as raparigas pegam em ramos de flores e vão pô-los no ripo, com os pés virados para o homem a que se destina. O enterramento do linho consistia em colocar os molhos de linho, durante uma semana, em pequenas covas abertas junto ao rio, tapadas por areia. Retirado o linho do rio, passava-se à fase seguinte, o estender. Os molhos regressam ao monte, onde as mulheres os estendiam às filas. malhar

Passados mais ou menos quinze dias, numa tarde de grande calor e sem nevoeiro, apanha-se o linho e guarda-se na casa da eira, de novo aos molhos. Em seguida vinha a malhada. Nesta tarefa, só entravam duas pessoas. Que começavam a malhar, uma em frente à outra, no lado para onde estavam viradas as raízes. Malhado o linho, este é virado e recomeça-se a mesma tarefa. Depois de todo malhado, o linho era guardado de novo na casa da eira, até ser levado para o engenho.
Moído, o linho vinha do engenho em “massadouras” e era guardado até que chegasse a próxima faina. A espadelada iniciava-se às dez horas da noite e prolongava-se até muito tarde. Uma noite de intenso mas bem-disposto trabalho, onde imperava a alegria e as cantigas ao desafio. Prontas as meadas, passava-se à fiação. Depois de carpear a estopa, com os dedos, era necessário ensarilhar.

A cozedura do linho, no forno, era o passo seguinte. Um árduo trabalho que, como se disse antes, faz parte da lembrança mais viva da população de Vila de S. Sebastião.

 

FONTE A Vila de S. Sebastião - Angra do Heroísmo

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...