torresmosOutras Denominações

Torresmos em Molho de Fígado.

Particularidade
Pedaços de carne de porco, cozinhados na sua própria gordura até ficarem
secos.

Descrição
Carne de porco, entrecosto, toucinho e fígado de porco, temperados com alho, sal, pimenta da terra (malagueta) e vinho branco, que são cozinhados 24 h depois de temperados, até desaparecer toda a gordura.

História
Tanto os Torresmos como o Bolo de Pé de Torresmos fazem parte da tradição açoriana, sendo citados em várias revistas que tratam de etnografia e tradição. Assim, podem ser encontradas referências tanto aos Torresmos como ao Bolo de Pé de Torresmos nos boletins do CRCAA. Também em A Matança se citam quadras populares dos Açores das quais retiramos a seguinte:

Ei já vejo luz acesa
nada tenho que dezer
Torresmos, vinho na mesa
P’ra se comer e beber.

Uso
Os Torresmos fazem parte da festa das matanças; são feitos no dia da desmancha do porco e são comidos quentes pelas pessoas que se juntam para ajudar na matança. O que sobra é guardado em boiões de barro, coberto com banha, podendo conservar-se durante um ano. Os Torresmos também se comem sob a forma de torresmos em molho de fígado, prato preparado com entrecosto, fígado cortado aos bocadinhos e torresmos, temperados com vinho branco, sumo de limão galego e de laranja, calda de pimenta e torresmos de vinha-d’alhos que se preparam com costeletas de porco e torresmos brancos (torresmos mais gordos). Servem também para fazer o tradicional Bolo de Pé de Torresmos que é uma espécie de pão feito com farinha de milho, leite, açúcar e, por vezes, canela e com torresmos na massa. Em S. Miguel é rara a cozedura de pão de milho em que se não faça, pelo menos, um Bolo de Pé de Torresmos. É bastante seco e levemente torrado, sendo comido pelas populações rurais como sobremesa.

Um ditado de S. Miguel refere:
"Dia de cozer, dia de roer."

Saber Fazer
As carnes são temperadas, ficando 24 h no tempero. No dia seguinte, a mistura vai ao lume (por vezes, ainda, em panelas de ferro com três pés), temperando-se com louro, cravinho, canela e pimenta preta. O toucinho e as carnes gordas derretem e ficam só os bocados de carne e de fígado.

Produção
Produzem-se cerca de 4 toneladas por ano.


In: Produtos Tradicionais Portugueses - Vol 1
Direcção-Geral de Desenvolvimento Rural
Lisboa 2001

Pin It

Cozer feijões velhos

feijãoQuando guardados há muito tempo (anos mesmo) ou simplesmente mal acondicionados, os feijões podem demorar tempo a mais a cozer. Mas há soluções.

A menos...

A Tinturaria Vegetal em Alguma Ilhas dos Açores


Carreiro da Costa, 1957

tinturariaRemonta aos primeiros decénios de vida insular, a prática dos vários processos de tinturaria caseira, servida por elementos...

Cores das Ilhas

Tudo leva a crer que esta paleta de cores começou a ser formada com a visita do escritor Raul Brandão, que esteve nos Açores em 1924 e foi atribuindo a cada...

A Amoreira e a Sericultura

 

Carreiro da Costa, 1945

De entre os problemas económicos em equação no arquipélago dos Açores, o da sericicultura é dos que mais tem apaixonado aqueles...

Agave (Babosa)

Piteira, Babosa, Agave, Agave americana L.

agaveÉ uma planta muito disseminada nos jardins de algumas ilhas. Não sabemos se o  “Agave azul” (e a sua parente...

Alguns Estudos Científicos sobre Agricultura Açoriana

uac 0 1

Departamento de Ciências Agrárias

http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/3

 

A influência da paisagem, dos factores ambientais e taxa de infestação na...

Prognósticos Populares

padreamaral
Antes do desenvolvimento da meteorologia, os agricultores (e não só) sabiam ver no céu sinais de bom ou mau tempo, com base em obsevações passadas de pais...