Freguesia de Velas (S. Jorge) População: 2300

Actividades económicas: Indústria pesqueira, comércio, serviços, agro-pecuária, construção civil, carpintaria e hotelaria

Festas e Romarias: S. Jorge (23 de Abril), semana cultural (1.ª semana de Julho), Sant’Ana (último domingo de Julho) e Divino Espírito Santo

Património: Igreja matriz, portão de mar, Convento de S. Francisco, Ermida do Livramento, paços do concelho, solares, centro urbano histórico e fontanários

Outros Locais: Miradouros, zonas balneares, jardins, Museu de Arte Sacra, Casa Etnográfica das Velas e Auditório Municipal das Velas

Gastronomia: Linguiça, bolo de véspera, morcela assada, castéis (pão) e sopa do Espírito Santo

Artesanato: Colchas de ponto alto em lã, bordados, rendas e tapetes

Colectividades: Grupo Desportivo da Casa do Povo, Grupo Foliões, Grupo das Morcelas e do Rei, Sociedade Lusitânia, Sociedade Nova Aliança, Grupo Desportivo Velense, Grupo Marítimo Velense e Clube Náutico

Orago: S. Jorge

DESCRITIVO HISTÓRICO


É a sede de um concelho constituído por sete freguesias. É a mais importante de todas e a que contribui da melhor forma para a economia local.

Habitada por mais de duas mil pessoas, tem como principais actividades económicas o comécio e a hotelaria.

Segundo a tradição, Velas foi a primeira vila a ser povoada na ilha de S. Jorge. Procederam ao seu povoamento alguns colonizadores vindos da Terceira.

Diz Gaspar Fructuoso, nas “Saudades da Terra”, ter a ilha de S. Jorge sido “achada e descoberta logo depois da Terceira, pois não se sabe em certeza quem fosse o que primeiro a descobriu, senão suspeitar-se que devia ser Jácome de Burges, São Jorge, e, pela achar em dia deste Santo (23 de Abril), lhe poria o seu nome, ou por ventura a achou o primeiro Capitão de Angra, João Vaz Corte Real (alí vem indicado Vascoeanes Corte Real, por êrro), depois de divididas as capitanias da mesma Ilha”. Não indica o ano da descoberta.

Por outro lado, o Pe. António Cordeiro, na sua “História Insulana” e socorrendo-se de Fructuoso, repete a data da descoberta – 23 de Abril – mas adianta o ano da mesma – 1450.

A freguesia de Velas (S. Jorge) recebeu foral e foi elevada à categoria de vila em 1500 por D. Manuel I.

A primeira igreja matriz teria sido mandada construir pelo Infante D. Henrique no século XV. Dois séculos depois, foi substituída por uma outra, sagrada em 1675 pelo bispo D. Frei Lourenço de Castro. Em termos religiosos, o Convento de S. Francisco e a Ermida do Livramento são também significativos exemplos da arquitectura de Velas.

Em termos civis, o maior destaque terá de ir para o actual edifício da Câmara Municipal, de estilo barroco açoriano. Data do século XVIII. Tem um portal de colunas salomónicas e valioso espólio documental sobre os séculos XVI e XVII. Algumas moradias solarengas comprovam um passado de grande importância.

Norberto de Ávila, em “Viagens na Nossa Terra”, fez referência importante a esta freguesia: “O visitante chega possivelmente por avião à ilha de S. Jorge. E, nesse caso, fica-lhe a branca vila das Velas a bem poucos quilómetros. Ou chega de barco a um dos portos principais: Velas ou Calheta. Se utilizou o avião, bem fará, ao subir da Queimada para as Velas, em quedar-se um instante no miradouro para contemplar a vila, recortando-se no azul da baía. Hospeda-se o visitante na Estalagem das Velas ou em qualquer outra residencial. Para conhecer minimamente a sede do concelho, poderá dar uma volta pelo cais, entrar na igreja matriz (século XVII) e apreciar o seu núcleo de arte sacra. Logo acima, a um lado do jardim público, situa-se o velho edifício da Câmara Municipal, a exemplo do chamado barroco açoriano.

Informe-se de possíveis iniciativas do Centro Cultural, edifício digno de visita pela sua inesperada modernidade. Na primeira semana de Julho, por ocasião da regata Horta-Velas-Horta, realiza-se na vila a Semana Cultural. Se gosta de andar a pé e dispõe de uma hora, poderá subir ao alto do Morro Grande e ter outra perspectiva da vila e do canal Pico – S. Jorge”.

Pin It